Objetivos

O objetivo central do LIFE ÁGUEDA é a eliminação ou mitigação substancial de pressões hidromorfológicas previamente identificadas na área e troços de rio a intervencionar, de forma a assegurar a melhoria do seu Estado Ecológico (tal como definido pela Diretiva Quadro da Água).

Para atingir esse objetivo, o LIFE ÁGUEDA propõe-se desenvolver e aplicar um conjunto de soluções demonstrativas que têm por objetivo (re)naturalizar a morfologia fluvial e assegurar o restauro ecológico dos habitats aquáticos e terrestres associados.

Complementarmente, o projeto visa desenvolver, ensaiar e avaliar um conjunto de soluções inovadoras que têm por alvo a translocação de juvenis de enguia-europeia, medidas custo-eficazes de apoio à monitorização exigida pela DQA e a diferenciação/valorização económica, pelo consumidor, do pescado que resulte de práticas de pesca sustentável.

Globalmente, e sem prejuízo de outros igualmente relevantes, espera-se com o projeto alcançar os seguintes resultados, para os quais se prevê um reporte regular:

  • melhoria do estado ecológico de 51 Km de troços de rio, através da redução da descontinuidade fluvial, melhoria da morfologia e estado de conservação de habitats aquáticos e terrestres;
  • restauro de condições lóticas e melhoria da estrutura e substrato do leito do rio em 68 ha de habitat aquáticos, incluindo redução do assoreamento em 8 troços de rio;
  • remoção definitiva de impactos de 8 obstáculos à continuidade fluvial nos rios Águeda e Alfusqueiro, com criação de um corredor de 34 Km favoráveis à progressão de peixes migradores;
  • desenho e instalação de 3 passagens para peixes naturalizadas, com caiz piloto, permitindo o aumento da transposição de 30% a 75% face aos níveis atuais;
  • melhoria da estrutura ecológica de cerca de 30 ha de galerias e bosques ribeirinhos, por via de controlo de espécies exóticas invasoras e restauro com espécies nativas;
  • aumento da resiliência de 35 ha de planícies fluviais a cheias e inundações, por via da melhoria das condições ecológicas de 9 Km de galerias e bosques ripícolas marginais;
  • melhoria de 3 áreas de habitats terrestres para fins de uso múltiplo (incluindo a conservação, educação e sensibilização e lazer);
  • gestão sustentável da pesca ao longo de pelo menos 50 Km de rio, incluindo a implementação de novas práticas e instrumentos de gestão da pesca comercial em áreas costeiras, estuarinas e fluviais;
  • criação, ensaio e avaliação de mum modelo piloto de "lota móvel" e "selo de qualidade", destinados a assegurar a diferenciação e valorização económica de pescado proveniente da área de intervenção do projecto (possibililtando um aumento de pelo menos 25% do seu valor comercial);
  • criação, ensaio e avaliação de um modelo de gestão e translocação de juvenis de enguia-europeia, abrangendo 25 Km do rio Vouga e cerca de 500.000 juvenis da espécie, de forma a possibilitar a sua libertação em habitats melhorados, mais adequados à sua conservação;
  • melhoria de habitat para uma espécie diádroma classicada como Criticamente Ameaçada no Livro Vermelho de Portugal;
  • melhoria de condições de habitat para 4 outras espécies protegidas e ameaçadas;
  • envolvimento de pelo menos 1.000 pescadores de recreio com uso voluntário de uma app de apoio à monitorização;
  • 203.440 pessoas, residentes em 12 municípios, abrangidos por atividades de educação e sensibilização;
  • pelo menos 30 entidades ativamente envolvidas com os trabalhos do projeto;
  • 2 milhões de espectadores de audiência de documentário sobre o projeto;
  • pelo menos um caso de replicação/transferência em Portugal e outro no espaço Europeu.